Li um post muito engraçado sobre as piores traduções de títulos de filmes para o Brasil, e lá nos comentários lembravam do Tom Hanks que ficou na ilha por acidente de avião e não de navio.

Os dicionários definem naufrágio como perda de  embarcação por acidente, seja por abase ou encalhe em recifes.

Daí que, na estrita acepção do termo, náufrago ele não era.

O nome em inglês era “Cast Away”, assim, separado. Enquanto que ‘castaway’ tem o significado literal de náufrago, a separação dos termos numa tradução livre é de “lançado longe”. Aí ainda assim não há o mesmo sentido de naufrágio no português que é relacionado a embarcação.

Eduardo Valente fica incomodado:

Aliás, porque o filme se chama Náufrago na tradução, se não há qualquer naufrágio? Cast Away quer dizer isolado, perdido, contudo náufrago?? Hmmmm…

Uma boa abordagem sobre isso é de Luiz Gonzaga Oliveira Jr:

Tecnicamente, o sobrevivente de um desastre de avião, mesmo no mar, não é propriamente um náufrago, mesmo que o avião submirja nas profundezas. Afinal, o naufrágio do avião é conseqüência de outro tipo de acidente – a queda – enquanto o naufrágio de um navio é, em si, o acidente. Neste sentido, mesmo que vá parar em uma ilha deserta, quem escapa de um acidente de avião é muito mais um sobrevivente do que um náufrago. Mas “sobrevivente” é muito amplo, genérico, e por isso Tom Hanks virou “náufrago” mesmo, expressão muito mais forte nos pesadelos do inconsciente coletivo da Humanidade.

E de um programad irritado:

É que no original faz muito sentido, “Cast away”.
Tem razão, ainda mais porque a definição de “embarcação” é um meio de transporte exclusivamente marítimo. Então não podemos “embarcar” no avião.
Tenho raiva dos caras que traduzem as coisas para o Brasil.