Em qualquer parte do país, basta dar uma volta para verificar a grande quantidade de barzinhos próximos de estabelecimentos de ensino. Ficam lotados depois das aulas, e a freqüência também é grande durante o período em que os alunos deveriam estar em sala de aula. Também é comum ver estudantes fumando em grupos na saída das escolas de ensinos fundamental e médio. Basta prestar um pouco de atenção para perceber que cada vez mais o jovem brasileiro está se envolvendo com fumo, drogas e álcool.

A solução para a questão das drogas na juventude passa pela prevenção e a discussão científica do problema. Para isso, a Secretaria Municipal de Educação de Florianópolis promove, na quarta (21/10) e sexta-feira (23/10), o II Seminário Prevenção ao Uso e Abuso de Drogas Lícitas e Ilícitas, das 8h às 17h30, no Conselho Regional de Contabilidade, localizado na Av. Osvaldo
Rodrigues Cabral, 1900, Florianópolis.

O evento faz parte da inclusão dos estudos de Prevenção aa utilização de drogas psicoativas nos currículos escolares disposta na Lei nº 7717 de outubro de 2008. A SME elaborou um plano de ações preventivas para auxiliar os educadores, diretores e técnicos das escolas e para uniformizar o trabalho de prevenção realizado nas escolas, o qual foi apresentado no I Seminário, realizado em julho deste ano.

O seminário é voltado para professores de Ciências, de Educação Física e orientadores do ensino fundamental da rede municipal de Florianópolis. Serão realizadas palestras e mesas redondas para debater a inclusão dos estudos de prevenção aa utilização de drogas nos currículos escolares, além de discutir ações para minimizar os fatores de potencial.

Drogas lícitas e ilícitas

As drogas são divididas em dois grupos, segundo o critério de legalidade perante a Lei. As drogas lícitas são aquelas legalizadas, produzidas e comercializadas livremente e que são aceitas pela sociedade. Os dois principais exemplos são o cigarro e o álcool.

Já a cocaína, a maconha, o crack e a heroína são exemplos de drogas ilícitas, cuja comercialização é proibida pela legislação.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), as drogas ilícitas respondem por 0,8% dos inconvenientes de saúde em todo o mundo, enquanto o cigarro e o álcool, juntos, são responsáveis por 8,1% desses inconvenientes.

                                                                          Ricardo Medeiros


Advertisements